dos outros

translate to English

Num de um dos meus muitos momentos de espera por uma coisa que não tem interesse nenhum entretive-me a folhear uma revista.
Atraiu-me a atenção o desenho que aparece na primeira fotografia. Porque tinha cores, flores e tecidos. Conseguiram conjugar três coisas de que gosto numa fotografia. Ao mesmo tempo parecia-me algo em patchwork juntamente com uma outra técnica que julgo só ter feito quando andei na escola - apliquée.
Foram motivos mais do que suficientes para ler o artigo todo e sou surpreendida com mais uma coisa que nunca me tinha ocorrido (mas quem sou eu! :)) e que é daquelas descobertas que quando faço levo ali um tempo a saborear e a pensar nela. Conseguiu inclusivé distrair-me o pensamento enquanto conduzia em modo automático a caminho de casa.
O que descobri foi algo parecido com a "desconstrução" que Picasso (por exemplo. Isto sem querer ofender o Picasso e se estiver a dizer alguma asneira alguém mais indignado que se acuse) fez na pintura em relação aos clássicos, mas aplicada aos tecidos e ao patchwork. É tão óbvio alguém lembrar-se disto que eu grande ignorante nunca tinha visto. Ou pelo menos andei distraída até aqui.
A segunda fotografia mostra a autora no seu atelier, em casa, e outro dos seus trabalhos feito a partir de tecidos antigos.
Eu gosto do patchwork certinho (que já fiz), meio certinho (que já fiz também), mas atrai-me muito mais esta liberdade de conjugar como quiser sem esquemas pré-definidos, sem réguas e esquadros, e no final ficar com uma "pintura" assim que posso pendurar na parede e ir admirando em tecidos antigos que me fascinam pela história que poderiam contar sobre quem os fez e quem os usou.
Além do mais a história desta Senhora é bem interessante para mim quanto mais não seja pelo egoísmo saudável de ter chegado a uma altura da vida, ter parado, e ter decidido que o que vai fazer é o que gosta e a apaixona. Há pessoas felizes!
Os créditos pertencem a Mandy Pattullo que tem um blog que foi para a minha lista, um site sobre o seu trabalho, e uma loja que já é minha favorita.
É certo que já delirei o suficiente para um dia mas não podia deixar de escrever isto aqui para ficar em memória e um dia destes saber onde procurar e vir cá espreitar de novo.

9 comentários:

  1. Compreendo a Paula. Fiquei igualmente apaixonada por estas autênticas obras de arte. Só mesmo pessoas com um grande talento chegam ali. Obrigada pela partilha. Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Fiquei também eu rendida ao trabalho desta artista. Obrigada Paula.
    Lojas de tecidos em Roma, náo encontrei. Apenas uma de "atavios", mas eu só sai para jantar... Bjo

    ResponderEliminar
  3. Fiquei fascinada! De facto, já é um quadro o que esta artista faz, mas sem pincéis! Vou já clicar nos links ;-)

    ResponderEliminar
  4. Que bonito! Adoro o resultado… talvez pelo ar “desarranjado”, ou talvez por parecer ser feito sem “receita”. Não sei explicar, mas gosto mesmo muito!

    ResponderEliminar
  5. Ainda não fui conhecer o blog dela, mas você tocou numa palavra que me persegue: desconstrução! Tento sempre desconstruir as coisas, as costuras, os dias, as ideias. E tudo começou com o patchwork. Qualquer dia ainda explico melhor num post.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiquei curiosa! Vou ficar à espera desse post. bj

      Eliminar
  6. Acho que este tipo de patchwork também é o meu favorito porque acaba por sair algo original e completamente diferente de tudo o resto (: também gostei do blog obrigada por partilhares beijinho grande!*(:

    ResponderEliminar
  7. Obrigada pela partilha, que bom ver pessoas a perseguirem o que as faz feliz. Também sou apaixonada pelo patchwork mas ainda estou na fase do certinho :) mas penso que daqui a uns tempos vou desbravar neste mundo mais livre de patchwork+aplicações+bordado livre. Beijinhos

    ResponderEliminar

botões de partilha