às vezes à hora de almoço

translate to English

O problema de não ter nada para tratar à hora de almoço é que me dá para cair em tentações.
Saí tarde para almoçar, estava sozinha, e despachei-me em 15 minutos. Sobrava-me tempo (coisa rara) e não me apetecia nada voltar para o escritório para trabalhar (ultimamente pode-se dizer que esta parte já não é nada rara).
Perto do sítio onde trabalho existe uma loja da Livraria Bertrand muito acolhedora.
Naturalmente que foi o sítio onde me lembrei de passar o tempo que me restava.
E naturalmente que gastei dinheiro e saí de lá assim com mais dois livros.
O primeiro não é propriamente um livro. Namoro sempre a Flow Magazine aos domingos de manhã  mas consigo resistir-lhes. Desta vez não foi possível. Para quem gostar de papelarias e coisas assim do género de papel garanto que o interior é irresistível.
O segundo não conhecia. Já tenho uma colecção razoável com livros de projectos de tricot mas este é tão agradável que acabei por o trazer. Além dos cinquenta tipos de pontos que ensina como fazer também traz vários projectos que me dão vontade de conhecer alguém que tenha um bebê para lhe oferecer um casaquinho de lã, ou uma manta, ou umas meias, ...  :)
Enfim, alguém com formação em psicologia (ou nem será preciso tanto) talvez diga que estou "descompensada". Mas vendo bem podia ter sido pior. Poder-me-ia ter dado para comer bolos ou qualquer coisa assim do género com muitas calorias. Pensamento positivo, ok! :)

da Primavera

translate to English



















Os amores-perfeitos que plantámos em Outubro do ano passado na varanda da Mariana.
Não registei devidamente os caroços de limão que pusemos num vaso pela mesma altura e que já mostram um rebento de 10cm de altura. Mas hei-de fotografá-lo um destes dias. Sempre quis ter um limoeiro. Pode ser desta que resulte. Quem sabe?
As várias orquídeas que vou coleccionando a cada ano que passa.
E por fim, o presente da Mariana para o Dia do Pai.
Por mais voltas que o mundo dê e nos vire de cabeça para baixo há coisas que permanecem eternas e que nos alegram os dias :)
O início da Primavera há-de ser sempre uma delas e festejar os melhores pais do mundo também :)
Sejas bem-vinda Primavera! Venham os dias "maiores" e a esperança de que esta mudança que nos espera nos traga dias felizes! :)

aprendendo a ter ideias

translate to English
Conhecer "processos criativos" sempre atraiu a minha atenção.
Muitas vezes quando olho para alguma obra de que gosto em especial fico a pensar o que terá levado (e como) o autor a fazer algo assim. Como é que "aquilo" lhe surgiu no cérebro é a pergunta que me ocorre sempre. De onde lhes vêm as ideias?
Eu não sou uma artista. E tenho ideias como toda a gente. Gosto de idealizar "coisas"!
Mas sinto a maior parte das vezes que todas estas ideias soltas e gostos que andam por aqui não conseguem sair cá para fora de uma forma coerente para produzir algo que me faça sentido.
Este assunto daria pano p'ra mangas ...
Quando decidi voltar à faculdade uma das coisas que mais procurava estudar tinha a ver com a "criatividade". Procurar as técnicas (que existem de facto) para transformar essa coisa intangível que é a "imaginação" e o "mundo das nossas ideias" em algo palpável.
Há algum tempo atrás numa das cadeiras que fiz li um artigo muito interessante sobre este assunto que dava como exemplo algo do género: em diversos alunos excelentes com média de 20 a matemática qual será a diferença que fez surgir um dia uma pessoa como o Einstein? O que é que o tornou mais "criativo" do que os melhores alunos do seu tempo a ponto de criar a teoria da relatividade?
Poderão existir várias respostas possíveis. Uma delas segundo António Damásio, e na qual acredito, diz que sermos felizes é fundamental para a geração de ideias. Quando estamos felizes somos mais criativos.
Afinal a resposta é simples! :)
As imagens seguintes mostram uma parte do último trabalho que fiz no semestre passado e que foi um dos trabalhos que mais gostei de fazer desde que comecei esta aventura de voltar a estudar.
O trabalho foi feito por um grupo de quatro pessoas do qual eu fazia parte. E calhou-nos apresentar 10 blazers e 10 t'shirts.
As ilustrações não foram feitas por mim e por isso é importante que fique bem claro que eu não sou a autora dos desenhos. As ideias dos blazers e das t'shirts que deram origem aos desenhos é que são da minha autoria.
A seguir a cada ilustração/ideia vem uma segunda imagem com uma fotografia da amostra que fiz com pormenores dos modelos idealizados.
Desta parte também posso dizer que sou a autora. Todas as amostras apresentadas foram idealizadas e feitas por mim.
Finalmente, todo este bla bla bla para dizer que pode não ser de artista e que não sou nenhuma Einstein, mas eu gosto, estive feliz enquanto o fiz, e sinto que um bocadinho mais próximo daquilo que falei no início já devo estar! :)

Desenho 1 - Blazer em lã fria de fazenda preta com tule de seda preta nas mangas e nos bolsos. A amostra foi feita para o fechamento do casaco com laços. Acabámos por optar pela fita de gorgorão preta (o do meio) porque além de ser o que mais nos agradou era também o que servia melhor para este efeito.


Desenho 2 - Blazer em lã fria de fazenda branca com franja no escapulário e aplicação de outro tecido nos bolsos. A amostra foi feita para demonstrar a transformação realizada sobre o tecido aplicado na lã. No caso do escapulário foi quase completamente desfiado para obter uma franja. Para o bolso retiraram-se fios na horizontal (trama) e na vertical (teia) para obter o efeito de rede que depois foi aplicada sobre o bolso.





Desenho 3 - Blazer em lã fria de fazenda branca com diversos tipos de aplicações inspirado na Frida Kahlo. A amostra foi feita para demostrar os pormenores de três elementos: as abas do casaco, fechamento, e bolsos. O perfil da Frida Kahlo é desenhado e bordado sobre as abas. O fechamento do casaco é feito com fita de colchetes em preto. E o bolso é feito com flores feitas à mão em tule de seda de diversas cores e cosidas sobre tule preto que depois é aplicado sobre o bolso. 






Desenho 4 - T'shirt de algodão preto com aplicação de flores em crochet em tule preto que depois é aplicado sobre o algodão. A amostra serviu para demonstrar as flores em crochet. 




Desenho 5 - T'shirt em algodão branco e algodão preto com aplicações em bordado. A amostra serviu para demonstração dos bordados. 





compras do fim-de-semana

translate to English






Tenho que fazer um projecto sobre um acessório à minha escolha para uma das cadeiras que estou a fazer este semestre.
Optei pelos sapatos.
O que me levou até à Feira da Ladra este sábado à procura de umas formas de sapateiro.
Enquanto as procurava, ao passar por um dos vendedores, encontro este "Grande Livro dos Lavores" do Círculo dos Leitores que estava no meio de uma confusão de outros livros, em óptimas condições, por 3eur. Embora os trabalhos deste livro não façam exactamente o meu género pela época a que se referem achei que valia a pena trazê-lo nem que fosse pela explicação das técnicas.
Para terminar o fim-de-semana, na minha habitual visita de domingo de manhã à Livraria Barata, encontro uns saldos de livros desta colecção da qual já tinha comprado o da "Tecelagem" uma vez na Feira do Livro. Escolhi o da "Estampagem" em tecido (claro!) e um sobre trabalho em couro (nem de propósito! alguém deve ter descoberto as minhas "peregrinações" recentes até à Casa Forra para "namorar" estas ferramentas!).
Não é que eu ande à procura mas a minha alma enfraquece quando me põem coisas assim que me interessam à frente tipo pechincha ou em saldos. Não sou capaz de dizer que não.

maputo, casa elefante, capulanas

translate to English
A capulana amarrada à cintura a fazer de saia é o que de mais comum se encontra em quase todas as mulheres que vi na rua. Não consegui e também não podia fotografar todos os padrões que encontrei, mas a variedade é enorme. E quanto mais colorido melhor.


Depois de ter estado no mercado municipal, de que tanto gostei e onde me arrependi de não ter comprado especiarias para as minhas experiências com os tingimentos de tecidos e lãs que andei a fazer há uns tempos atrás, atravesso a rua e mesmo em frente encontro a Casa Elefante.
Seguindo as indicações de quem normalmente está bem informada sobre onde procurar sítios assim  não podia ir a Maputo sem passar por aqui.
Digamos que o problema depois de lá entrar é sair de mãos vazias.

Obedeci ao nosso simpático guia e guardei a máquina fotográfica. Por isso a imagem anterior é o melhor que consegui e é uma pequena amostra do que se encontra dentro da loja: paredes cobertas de capulanas até ao tecto.
O processo de escolha é difícil por causa da variedade, mas os empregados são muito simpáticos e pacientes. Com a ajuda de um ponteiro comprido vamos apontando os padrões que queremos ver e eles vão retirando, abrem o pano e mostram, e apesar da desarrumação que fiz a boa vontade manteve-se igual até ao fim. 
De acordo com a informação de um dos donos as capulanas já não se fazem em Moçambique e estas são todas importadas da India.
Procurei escolher de vários tipos: as primeiras que são as mais baratas (cerca de 180 meticais) e que achei interessantes por serem muito parecidas com as "madras" indianas com o padrão axadrezado, as segundas que são as minhas favoritas com os padrões mais tradicionais e que eram as que tinham em menor variedade de escolha, as da terceira fotografia que correspondem a padrões mais modernos do tipo geométrico, e por fim na última fotografia as que existiam em maior variedade e de preço intermédio que quanto a mim são as menos interessantes mas que mesmo assim achei que valia a pena trazer.




Agora que revejo as fotografias não sei como é que me contive e não trouxe mais umas quantas ...
Muito difícil resistir garanto ...

maputo, mozambique

translate to English
África. Não era a minha opção mas admito (a quem sabe, se ler isto) que estava errada e que esta foi de facto uma grande escolha. 
Dos meus calmos serões de Inverno à lareira em Janeiro dei um pulo gigante até ao Verão de Moçambique e voltei.
Aterrar novamente em Lisboa este fim-de-semana foi extremamente difícil e voltar à rotina na 2ª feira foi ainda mais complicado. Tenho uma dor de cabeça tipo moinha que me acompanha desde que cheguei e apesar do fuso horário ter só uma diferença de duas horas a mudança de ambiente é tão mas tão radical e o contraste é tão grande que ainda estou com alguma dificuldade em perceber bem o que se passa aqui por casa.
Algumas coisas a registar:
- a simpatia "enoooooooorme" e o sorriso constante acompanhado de um olhar que parecia tão meigo de todos os moçambicanos que encontrámos;
- embora não fosse novidade continuo a ficar surpreendida quando oiço falar português tão longe de casa (a onze horas de vôo de distância),
- a cidade de Maputo. Que achei "bonita" depois de me habituar à imagem de destruição e degradação que sofreu por causa dos anos de guerra. Embora nunca lá tenha estado antes em alguns sítios tive uma estranha sensação de algo familiar como se estivesse em Lisboa,
- facto curioso, quase todas as recuperações dos antigos edifícios que vimos aconteceram a partir de 2012 ou 2013, 
- muitas obras em curso por empresas chinesas,
- as qualidades artísticas fantásticas desta gente, nos graffitis das paredes, nas esculturas de madeira, em n coisas que estão por todo o lado,
- o colorido da roupa e dos lenços que punham à cabeça,
- turismo é coisa que praticamente não existe e não é possível passar despercebido,
- apesar da simpatia, e apesar dos anos que já passaram o ressentimento em relação aos portugueses e ao colonialismo ainda me pareceu estar quase sempre presente, embora não o refiram directamente,
- a consciência crua e dura que qualquer moçambicano tem do que se passa no seu país e a amargura nas palavras por não conseguirem mudar o que sabem estar errado,
- e, por último, adorava poder lá voltar um dia.
As fotografias foram difíceis de conseguir porque andar pela rua de máquina na mão alegremente e despreocupadamente a tirar fotografias não é possível.
Tantos rostos que ficaram por registar, tantas imagens que gostava de ter guardado e não pude ...
Esta era a vista do quarto do hotel onde ficámos: a Catedral "como lhe chamavam os portugueses", e depois as ruínas de um prédio que está assim desde a independência porque "o português fugiu com as plantas" e agora ninguém sabe como acabar (!), o prédio com a fachada lindíssima de azulejos amarelos dos anos 60.



Uma tímida fotografia à distância, numa rua junto à estação, de uma criança a ser carregada às costas da mãe. São imagens deliciosas e todas transportam os filhos pequenos assim. Seria impossível usar um carrinho de bebê nestas ruas, e desta forma é muito mais agradável (e prático) de certeza.
Uma das fantásticas esculturas, que para mim são obras de arte dignas de museu (tipo "ready-made" diria eu que não percebo nada do assunto :)). Esta está na escola francesa e foi feita a partir de peças de motorizadas Kawasaki e outra marca cujo nome já não me lembro.
Restos das munições (de defesa dos portugueses suponho eu) que estão em exposição no interior do forte da cidade.
Imagens do mercado municipal. Elas e eles com ar de frete a olhar para nós do tipo "que é que estes andam aqui a fazer a tirar fotografias e a filmar".  Pela quantidade de fotografias de seguida sobre o mesmo dá para perceber que adoro visitar estes mercados. :)



A lindissima, lindissima, fachada da estação de caminho de ferro, lindissimamente recuperada. Lá dentro é um encanto.
Ainda a estação de caminho de ferro, cuja arcada exterior me lembrou um bocadinho de Lisboa.
Um exemplo da forma como pintam o exterior das casas para anunciar que tipo de serviço ou trabalho podem prestar a quem precise. Este é um exemplo entre muitos.
Fizemos um passeio, que hei-de registar depois, que nos obrigou a fazer cerca de quatro horas de carro (para percorrer mais ou menos 150Km) e estas são as imagens do que vemos à beira da estrada e que me parecem ser uma constante de vida da grande maioria dos moçambicanos.


Independentemente de tudo o resto crianças serão sempre crianças e cada vez aprecio mais a liberdade que lhes é inerente.
 Despedi-me de Maputo assim. Da mesma janela do mesmo hotel onde tinha chegado dias antes. Um céu com umas cores fantásticas do pôr-do-sol, a temperatura absolutamente perfeita, e a certeza absoluta de lá querer voltar (é verdade "meu querido"! quem diria, hã? afinal estavas absolutamente certo ... :).



botões de partilha