maputo, casa elefante, capulanas

translate to English
A capulana amarrada à cintura a fazer de saia é o que de mais comum se encontra em quase todas as mulheres que vi na rua. Não consegui e também não podia fotografar todos os padrões que encontrei, mas a variedade é enorme. E quanto mais colorido melhor.


Depois de ter estado no mercado municipal, de que tanto gostei e onde me arrependi de não ter comprado especiarias para as minhas experiências com os tingimentos de tecidos e lãs que andei a fazer há uns tempos atrás, atravesso a rua e mesmo em frente encontro a Casa Elefante.
Seguindo as indicações de quem normalmente está bem informada sobre onde procurar sítios assim  não podia ir a Maputo sem passar por aqui.
Digamos que o problema depois de lá entrar é sair de mãos vazias.

Obedeci ao nosso simpático guia e guardei a máquina fotográfica. Por isso a imagem anterior é o melhor que consegui e é uma pequena amostra do que se encontra dentro da loja: paredes cobertas de capulanas até ao tecto.
O processo de escolha é difícil por causa da variedade, mas os empregados são muito simpáticos e pacientes. Com a ajuda de um ponteiro comprido vamos apontando os padrões que queremos ver e eles vão retirando, abrem o pano e mostram, e apesar da desarrumação que fiz a boa vontade manteve-se igual até ao fim. 
De acordo com a informação de um dos donos as capulanas já não se fazem em Moçambique e estas são todas importadas da India.
Procurei escolher de vários tipos: as primeiras que são as mais baratas (cerca de 180 meticais) e que achei interessantes por serem muito parecidas com as "madras" indianas com o padrão axadrezado, as segundas que são as minhas favoritas com os padrões mais tradicionais e que eram as que tinham em menor variedade de escolha, as da terceira fotografia que correspondem a padrões mais modernos do tipo geométrico, e por fim na última fotografia as que existiam em maior variedade e de preço intermédio que quanto a mim são as menos interessantes mas que mesmo assim achei que valia a pena trazer.




Agora que revejo as fotografias não sei como é que me contive e não trouxe mais umas quantas ...
Muito difícil resistir garanto ...

3 comentários:

  1. Com certeza muito difícil de resistir, mas a Paula trouxe uma fantástica amostra. Bons trabalhos! Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Nunca consigo sair de lá de mãos a abanar, até já evito lá ir😊
    Estas são todas muito giras!

    ResponderEliminar
  3. Olá Paula! Fico agora curiosa relativamente ao destino que vai dar a esses tecidos:)
    Beijinho e uma boa semana!

    ResponderEliminar

botões de partilha